Bem-vindos ao arquivo do Fórum!

Nosso fórum pode ter mudado, mas isto não significa que vamos esquecer de tudo o que veio antes. Neste arquivo, vocês encontram a história da comunidade do League desde a chegada do servidor ao Brasil. Tem de tudo um pouco: discussões, piadas, desenhos, tentativas de identificar as camadas do fórum e muito mais.

Então, navegue pelas lembranças e, depois, participe das discussões que estão rolando neste momento no novo Fórum do League of Legends e divirta-se com os outros membros da nossa Comunidade. Nos vemos lá!

Um abraço,
Ysanne

IR PARA O NOVO FÓRUM


Capítulo 1 - Quando chega um presente e um pedido

1
Comment below rating threshold, click here to show it.

Master 7P

Member

09-02-2014

Santa Catarina, 01/09/2014

Mateus acordou com o sol batendo no seu rosto. "Droga", foi o primeiro pensamento do dia. Já eram nove horas. Sua aula começava às 8:20. A próxima aula depois disso era só às 15:10. "Pra que ir agora então?", ele pensou. Ele iria voltar a dormir, mas seu estômago roncou."Droga", foi o terceiro pensamento do dia. Ele levantou da sua cama, pôs o chinelo, e saiu do quarto. Então ele voltou pro quarto, pôs uma calça, uma camisa, um casaco, e se enrolou no cobertor. Estava muito frio. Ele nunca se acostumou ao frio do Rio Grande do Sul, e Santa Catarina se esforçava para lembra-lo do clima de sua cidade natal. Completamente enrolado, Mateus saiu do seu quarto para mais um dia de rotina. Ele pensou em ir no shopping, beber um café, alguma coisa quente. Mas primeiro, comida. Mateus andou em direção à cozinha, pegou o bolinho de cima da mesa, deu uma mordida pensando no que fazer com sua manhã livre. Então, ele parou e olhou para o bolinho mordido na sua mão.
Ele não tinha comprado nenhum bolinho.
Ele virou para a mesa e olhou para onde o bolinho estava antes. Havia um prato prateado e um papel. Ele também não tinha pratos de prata. "O que...", ele pensou. Ele estava confuso. Mateus pegou o papel e olhou de perto. Era uma carta.

SAUDAÇÕES, FLYING FAITH XXI

VOCÊ FOI SELECIONADO PARA FAZER PARTE DE UM EXPERIMENTO. PARTICIPAÇÃO É COMPLETAMENTE OPCIONAL. ESTE BOLO QUE SE ENCONTRA NA SUA MESA TEM "EFEITOS ESPECIAIS", QUE GOSTARIAMOS DE TESTAR.NADA QUE POSSA COMPROMETER SUA SAÚDE, ESPERAMOS. CASO ACEITE, COMA O BOLO SUPRACITADO. UMA MORDIDA BASTA. CASO RECUSE, MANTENHA O BOLO INTOCADO EM SUA BANDEIJA, QUE DENTRO DE 24 HORAS IREMOS RECOLHER O BOLO. A PARTICIPAÇÃO SERÁ BEM REMUNERADA. AGRADECEMOS SUA PACIÊNCIA E ATENÇÃO

INSTITUTO DA GUERRA
VALORAN
RUNETERRA

Mateus leu a carta de novo. E de novo. E de novo. Mas cada vez que lia, ficava mais e mais confuso. O apartamento era dos seus pais; fora ele próprio, somente seus pais, sua irmã e seu amigo Roberto possuíam uma cópia da chave. "Já sei." Mateus pensou, "Foi o Roberto. É logico. Aquele filho da..." A ofensa não proferida fez Mateus lembrar que a mãe de Roberto adoeceu, e ele voltou para Minas para cuidar dela. Quem poderia ter sido então? Seus pais não conheciam LoL o suficiente. Sua irmã estudava em São Paulo (Letras - Inglês). Nem ela gastaria tanto dinheiro para uma pegadinha tão longe. "Efeitos especiais"? "Nada prejudicial, esperamos"?O que esse bolinho faz? Seria laxante? Não seria a primeira vez...Ele resolveu ligar para o médico. Qualquer médico serviria. Ele correu para o telefone, batendo a testa na porta. Pegou o telefone com pressa, e apertou de preocupação enquanto tentava lembrar o número.
O telefone estilhaçou.
Aterrorizado, ele correu para a porta. Encostada nela, havia uma grande espada.
- Mas que... - Lentamente ele se aproximou da arma, confuso com o que estava acontecendo.Ao encostar na espada, ela brilhou, perdendo sua forma original, até que ela se transformou em pura luz, que entrou no peito de Mateus. Com a morna luz-espada dentro dele, a mente de Mateus se acalmou. Ele conseguiu retomar o controle e pensar no que fazer. Resolveu se olhar no espelho. Mas quem ele viu no espelho não era seu reflexo. O reflexo do magrelo e desajeitado Mateus não poderia ser um homem alto, forte e imponente. Teria sido o bolinho? Um barulho na rua chamou sua atenção. Ele olhou pela janela e viu que um menino estava sendo assediado. Uns marmanjos do bairro que surravam gente mais fraca por diversão. Mateus resolveu ignorar, afinal não era problema dele. Mas um pensamento ecoava na cabeça de Mateus.
"Isso não é justo."
Do segundo andar, Mateus pulou e aterrissou em um dos quatro baderneiros. Os outros três olharam para Mateus, que exibia um olhar de pura fúria, a espada em sua mão, vinda do nada.
Mateus fez a única coisa que pensou no momento.
Com sua espada, ele girou. E girou, e girou, sem ficar tonto. Os outros três marmanjos cairam no chão, desmaiados. Porém, o pequeno rapaz não tinha um arranhão sequer. Sua espada não o afetou. Olhando para Mateus, o menino falou, chorando.
- Q-Quem é v-v-você...?
Mateus, tão confuso quanto o menino, respondeu.
- Ninguém. Vá pra casa, mas não conte o que aconteceu aqui. Você tá machucado? - O menino balançou a cabeça, dizendo não - Ótimo. Vai, pode ir, eles não vão mais te incomodar.O menino sorriu, agradeceu, e saiu correndo. Mateus parou para pensar no que acabou de acontecer. Ele pulou do segundo andar, e nocauteou quatro adolecentes grandes e fortes. Nunca que ele imaginava que isso poderia acontecer com ele. Mateus subiu lentamente as escadas pensando no pulo, na espada que surgiu do meio do ar, nos quatro moleques nocauteados, mas que não cortados nenhuma vez. Ele não conseguia entender. Ao chegar no seu quarto, ele sentiu um cansaço enorme. Não conseguiu pensar em nada, somente se jogou na cama e dormiu no mesmo instante. Seu último pensamento do dia foi "O que vai acontecer amanhã? Droga..." e perdeu a consciência.

Link para o Prólogo (recomendável):
http://forums.br.leagueoflegends.com/board/showthread.php?t=282102


1