Bem-vindos ao arquivo do Fórum!

Nosso fórum pode ter mudado, mas isto não significa que vamos esquecer de tudo o que veio antes. Neste arquivo, vocês encontram a história da comunidade do League desde a chegada do servidor ao Brasil. Tem de tudo um pouco: discussões, piadas, desenhos, tentativas de identificar as camadas do fórum e muito mais.

Então, navegue pelas lembranças e, depois, participe das discussões que estão rolando neste momento no novo Fórum do League of Legends e divirta-se com os outros membros da nossa Comunidade. Nos vemos lá!

Um abraço,
Ysanne

IR PARA O NOVO FÓRUM


[FanFic] Descontrole

1
Comment below rating threshold, click here to show it.

FrostQueen Janna

Senior Member

11-17-2014

Bom, começei a escrever no geral, dai quando eu estava quase acabando jogaram meu post no limbo offtopic. Fiquei bem chateado por um bom tempo mas a vontade de terminar foi maior então eu completei e estou postando aqui integralmente. Espero que sirva para divertir alguém.

Tive a idéia da fanfic a alguns anos mas nunca coloquei pra frente, mas a expansão sobre narrativa me incentivou a relembrar o que tinha criado e pensei, porque não? Bom, pode ter alguns erros afinal não sou especialista sobre a história do League, mas vou escrever um pouco aqui e vamos ver no que dá. Esta fanfic acontece na era S2 como irei classificar a passagem de tempo.


Descontrole

A luz branda da lua atravessava as janelas e iluminava o rosto de Ahri deitada em uma das celas da delegacia de Piltover. Caitlyn observava a moça de uma escrivaninha próxima apoiando o queixo sobre as mãos em cima do rifle. Na verdade Caitlyn não precisava estar alí, mas tanta coisa havia acontecido naquela semana que não queria arriscar estar errada. "Ela não tem mais poderes, ela não é um perigo." Este pensamento martelava a cabeça de Caitlyn que tinha dificuldade em aceitar o fato que Ahri estava indefesa e que a tarefa de cuidar da garota havia sobrado para ela. "São só mais alguns dias, eu posso fazer isso. Sim, eu dei minha palavra e ninguém vai encostar nela." Caitlyn era durona, mas no fundo sentia pena pela garota estar naquele estado, se Ahri continuasse daquele jeito para sempre como iria se defender de seus inimigos? Como iria viver com medo? Não era problema dela, mas a xerife sabia que ela seria caçada mesmo não tendo garras para se defender.
- O que está acontecendo?' Disse Ahri trêmula fitando-a com os olhos pretos bem abertos, Caitlyn havia se distraído. - Você ainda está acordada? Descanse, achei melhor ficar aqui hoje apenas para o caso.' E Caitlyn tentou não parecer nervosa virando o rosto para o outro lado. - É estranho dormir sem minhas caudas. Está tudo mais silencioso agora também.' Vendo que a conversa era inevitável Caitlyn se recostou na cadeira olhando para ela. - Por isso que nós humanos usamos cobertores e damos conta do recado com nossas orelhas normais. Você precisa descansar, temos um dia cheio amanhã e eu não vou querer ninguém bocejando durante meus interrogatórios. Ninguém vai ter coragem de entrar aqui e se alguém entrar esta belezinha aqui vai estar esperando, e eu não estou falando da arma.' Mas Ahri não sorriu, continuou parada observando-a por um momento e por fim disse sem rodeios. - Você está tentando me acalmar. Esta coisa que vocês humanos fazem tão bem como se chama mesmo? Complacência. É isto não é?' E esboçou finalmente um sorriso, estava confiante que havia acertado. - Vamos chamar isto de confiança feminina. Vou fazer uma ronda e enquanto isso durma, é uma ordem.' E saindo Caitlyn suspirou de alívio. Não estava com humor para conversas difíceis.
Após alguns corredores nada parecia anormal, haviam poucos guardas mas tudo estava trancado no entanto ao passar pelo arquivo ela ouviu passos e decidiu investigar. A sala era média com algumas preteleiras com fichas e casos antigos, nada de estranho a não ser que o computador estava ligado no final da sala. Quanto mais se aproximava mais Caitlyn sentia uma presença no local, então com o rifle em punho foi checando prateleira por prateleira até se aproximar da última. - Seja quem for é melhor sair com as mãos para cima como um bom menino porque vai ganhar uma bala se eu tiver que te buscar.' E após o silêncio ela se aproximou pé ante pé até a última prateleira e entrou de uma vez com o dedo no gatilho... Estava vazio. - Tsc. Essa história deve estar me deixando paranóica.' Baixando o rifle ela abaixou para checar o computador e havia apenas um bloco de notas aberto com algo escrito que fez o sangue dela gelar... [Oi Caitlyn]
Atravessando o corredor formado pela última prateleira sentiu algo rasgando-lhe as costas e foi derrubada no chão seguido pelo barulho de passos que davam a volta em direção da porta. Não havia conseguido ver quem era mas não fazia sentido uma vez que não havia ninguém alí antes. Sentou-se no chão, e se apoiou na parede sentindo o sangue escorrer pelo corte nas costas. - Parece que um rato entrou na delegacia. Apareça e vamos ver se você é tão rápido.' Não houve resposta. Após um momento de silêncio o barulho de algo pesado batendo ecoou na sala por três vezes até Caitlyn perceber que haviam empurrado as prateleiras para cima dela. Assim que o efeito dominó terminou dezenas de arquivos caíram e se espalharam por cima dela. Furiosa Caitlyn saiu rastejando do esconderijo e correu até a porta procurando um alvo, o dedo coçava no gatilho de vontade de atirar, mas não havia nada.
"Espera um pouco... Acho que eu conheço este padrão. Será possível?" Enquanto Caitlyn tentava desvendar a identidade do misterioso atacante sentiu pontas afiadas passando levemente pelo seu pescoço, e então girou o rifle para trás disparando a função secundária de seu rifle. As esferas redondas acertaram o alvo antes que a rede pudesse se abrir totalmente enquanto e o Rifle escapou das mãos de Caitlyn com a força do recuo da arma. Ela primeiro expressou um terrível desgosto ao ver sua arma bater com violência contra a quina da porta, então correu pegando o rifle e se virou com a arma apontada para a responsável por aquela bagunça.
- Evelynn. Você está presa por invadir a delegacia de Piltover e me atacar. Eu pensei que este seria o último lugar que eu a veria novamente.' E encarando-a foi se aproximando sem desviar o rifle.
Enquanto ia cortando a rede com suas garras, Evelynn sorria para Caitlyn, não parecia preocupada em ter sido pega. - Foi mais divertido assim, achou que eu simplesmente apareceria e diria oi? Você é uma humana de muita sorte pois estou aqui novamente para te ajudar. Um pouquinho de sangue e minha satisfação é um preço muito baixo a pagar por isto.' E se levantando deixou cair os restos da rede andando até uma cadeira próxima onde se sentou. A voz de Evelynn dava calafrios à policial, era uma voz forte com um quê de distorção e maldade. Ela era uma assassina perigosa e se dizia que estava alí para ajudar novamente Caitlyn tinha motivos para escutar o que ela tinha a dizer. - Você ajudou muito na mansão, mas não quer dizer que eu confie em você Evelynn. O que você quer?' E abaixando o rifle manteve uma distância segura enquanto continuava encarando aqueles frios olhos dourados. - Você tem uma amiga que está em apuros, mas você não sabe disto e por isto eu vim aqui como uma pessoa boa avisá-la.' E a expressão maliciosa daqueles lábios azuis eram suficientes para que Caitlyn se preocupasse.
- Já que ajudou da última vez tem um voto de confiança, mas pessoa boa é um pouco exagerado Evelynn.' Enquanto checava o dano da arma esperou que ela terminasse com o suspense, o que é claro não aconteceu prontamente. - Agora você está curiosa, eu deveria mesmo te dizer? Mas que cheiro é este que estou sentindo? Medo?' E assim a visitante inesperada desapareceu novamente na cadeira. - Vamos, eu não estou com humor para mais das suas brincadeiras Evelynn.' E enquanto se encostava na parede Caitlyn olhou atentamente ao redor tentando adivinhar onde ela reapareceria, mas nada aconteceu por algum tempo até que finalmente percebeu que ela não estava mais alí. "Medo ela disse? Hah não..." E então Caitlyn saiu correndo da sala de arquivos.
Ahri estava quase pegando no sono quando o barulho chamou sua atenção, meio sonolenta ela olhou em volta procurando Caitlyn mas a sala estava vazia. Um pote de lápis e canetas havia caído em cima da mesa e não havia nada de extraordinário nisso tirando o fato que um dos lápis avançava em direção da borda até cair no chão. Ahri se aproximou das grades e arregalou os olhos ao ver que o lápis caído começou a girar sozinho sem que ninguém o tocasse. E então quando o giro finalmente parou um rosto azulado com lábios de um azul ainda mais intenso e olhos claros quase dourados apareceram bem próximos ao rosto dela. - Booo!' E tropeçando para trás Ahri caiu de costas apavorada enquanto Caitlyn entrava correndo no recinto empurrando Evelynn contra as grades e encostando o cano do rifle na cabeça da intrusa. - Você já me deixou muito zangada hoje. Diga logo o que sabe Evelynn.' Esboçando uma certa hostilidade contra a ação da xerife Evelynn virou o rosto com uma expressão séria e desconfortável nos olhos e finalmente disse o que Caitlyn queria saber. - Zaun está uma bagunça por causa da sua amiga Janna, ela está louca e se você não fizer algo ela irá morrer.' A inesperada notícia desconcertou Caitlyn o suficiente para que Evelynn se soltasse e empurrasse o cano do rifle para o lado, mas não houve uma atitude violenta após isso. A assassina olhava a reação da xerife esperando a próxima pergunta.
Ahri se sentou no chão com as costas doendo, não estava acostumada a sentir medo ou levar sustos e aquela semana estava sendo um grande aprendizado nesta área. Queria ir para fora retribuir a gentileza, mas sem poderes nada lhe vinha à mente então deixou Caitlyn lidar com a situação. - O que a Janna fez em Zaun e principalmente quem tentaria matá-la? Não estou entendendo o seu interesse em vir me avisar que ela está em perigo.' Uma resposta analítica era de se esperar, Caitlyn era acima de tudo profissional e aqueles eram perguntas que qualquer investigador faria, mas o real motivo é que ela não queria deixar transparecer sua preocupação afinal Evelynn não era exatamente confiável. - Acha mesmo que eu diria? Mesmo que eu soubesse seria mais interessante deixar você descobrir. Não me importo se ela vai morrer ou não, meu interesse é manter um certo controle sobre os acontecimentos. Eu sei que você pode e vai ir ajudar a sua amiga e isso resolve o meu problema.' E passando as garras pelas grades olhava para Ahri presa, parecia sentir prazer ao ver a fragilidade que ela aparentava. Caitlyn mantinha o olhar sério pois sabia que de alguma maneira estava falando a verdade. - Irei conferir isto. Mais alguma coisa que gostaria de dizer antes de ser presa?' E apontou o rifle novamente para ela. - Você vai precisar de roupas de frio pois vai se deparar com um gelo inesperado. E vai precisar de sorte para me prender.' E soltando uma risada desapareceu novamente, Caitlyn pensou em atirar mas seu olhar encontrou o de Ahri assustada olhando para o cano da arma apontada em sua direção. O barulho dos passos corria para fora mas Caitlyn decidiu que seria perda de tempo persegui-la.
- Parece que não iremos dormir hoje. Tenho um lugar pra ir e não posso deixar você sozinha.' Disse Caitlyn olhando com decepção para o rifle danificado. Ahri pegou a chave da cela do bolso e saiu, as duas deixaram a delegacia seguindo pelas ruas de Piltover, embora não fosse muito tarde estava tudo calmo. - Vai se arriscar tanto assim só porque ela disse? E se aquela mulher estiver mentindo?' Por não conhecer muito bem o lugar Ahri se sentia inquieta, não queria ficar presa pois não se sentia à vontade atrás das grades, mas também sentia um novo e humano medo de ficar sozinha. - É claro que tem mais coisa nesta história, mas não se trata apenas do risco e sim de ajudar uma amiga. Chegamos.' Caitlyn pressionou os dedos contra um painel de uma pequena casa com portas muito antigas e após o reconhecimento de sua identidade o sistema começou a abrir as portas. As duas entraram e Ahri se sentiu em outra época, embora não conhecesse muito sobre a história, alí dentro havia muita coisa interessante. O estilo antigo e colonial era agradável e subindo ao segundo andar se deparou com muitos pôsteres vintage nas paredes. No quarto de Caitlyn haviam dois manequins com vestidos de época e entre outros acessórios um gramofone que atraía a atenção dos olhos curiosos da garota. Caitlyn reparou no espanto dela e sorriu por um momento então abriu as portas de um grande guarda-roupas e pegou roupas de frio (*skin Caitlyn guerrilheira do Ártico) dando agasalhos parecidos também para Ahri.
- Irei me trocar. Não toque em nada raposa.' E arregalando os olhos Ahri acenou com a cabeça que havia entendido a mensagem. Após Caitlyn entrar no banheiro ela colocou os agasalhos e ficou olhando em volta, em um criado mudo estavam papeis amassados que pareciam documentos importantes, não aguentando a curiosidade ela os pegou e leu. "Requisição para fortalecimento da caixa forte de Piltover. O que será isso?" Havia esquemas técnicos que ela não conhecia e também um carimbo vermelho escrito negado em cima do documento com o símbolo da prefeitura de Piltover. Deixando o papel no lugar Ahri sorriu, aquilo era uma pequena rebeldia da parte dela por estar recebendo ordens daquela maneira.
Saindo do banheiro Caitlyn respirou fundo pensando por um momento e então foi até uma parede pressionando a mão contra uma placa de metal que revelou ser um outro sistema de reconhecimento e então ela empurrou os entalhes de madeira abrindo uma porta secreta. - Uma sala de armas?!' Disse Ahri entrando no lugar que apesar de ter a mesma decoração continha muitas coisas eletrônicas. Armas antigas e novas em monstruários por todas as paredes, uma mesinha com equipamentos de manutenção e um computador ligado em um dos cantos. Caitlyn foi até o monstruário principal e apertou um botão fazendo com que uma caixa se abrisse e pegou um rifle robusto com detalhes de madeira bruta e uma mira espalhafatosa, era diferente de seu rifle normal que ela deixou em cima da mesinha de manutenção. - É sempre bom estar prevenida e você só sabe disso porque eu estou com muita pressa, se mais alguém souber eu vou saber quem contou e então eu irei caçar.' E testando a mira foi expulsando a garota da sala fechando a porta em seguida. Ahri ficou calada, não sabia se ela estava falando sério e não queria confirmar.
Saindo da casa de Caitlyn as duas pegaram outro caminho dando a volta por uma ponte que levava novamente ao centro de Piltover, poucos veículos passavam pela rua e era possível ver um pouco do reflexo da lua no lago abaixo embora o tempo estivesse ruim. Andavam com pressa, mas Caitlyn parecia querer correr. - Precisamos andar deste jeito mesmo, não é melhor pegar um veículo?' Ahri não estava com preguiça de andar, mas preocupada pois estava muito exposta às ruas de Piltover e temia ser reconhecida por algum dos fanáticos amantes da liga. Em Ionia ela não precisaria se preocupar, mas ali não era Ionia e ela não tinha seus poderes para lidar com algum possível incômodo. - É justamente isso que estamos indo fazer. Temos que chegar ao centro de transporte o quanto antes e torcer para que alguém esteja lá para nos atender.' Assim sendo continuaram atravessando a cidade e pegaram um elevador até o centro de uma das torres principais. Haviam muitas lojas e serviços, ao passarem por um restaurante a barriga de Ahri roncou ao sentir o cheiro de carne mas Caitlyn não se importava com isso, o tempo estava passando e aumentando sua preocupação. Até que finalmente chegaram ao saguão de transporte e os guichês estavam todos fechados. O lugar estava deserto. Caitlyn avançou até a lateral e testou uma das portas de grade, vendo que estava destrancada elas entraram por um corredor que dava a uma área de equipamentos mecânicos. - Não estamos invadindo?' E pegando uma lanterna do bolso Caitlyn respondeu entregando-a para Ahri. - Eu sou a xerife e não viemos fazer nada errado. Se a porta estava aberta pode ser que algum mecânico ainda esteja trabalhando. Vá por aquele lado e me chame se encontrar alguém.' Contrariada ela pegou a lanterna e seguiu entre um labirinto de caixas e passagens com todo tipo de peças de reposição. " Acho que não tem problema aqui dentro, ninguém entraria aqui para me perseguir. Mas ela esta abusando da minha ajuda, estou preocupada pela preocupação dela ou estou preocupada porque acho frágil a amizade humana?" E meio que perdida em seus pensamentos Ahri foi pega de surpresa por um soco certeiro que a derrubou no chão.
A lanterna caiu e rolou pelo chão, Ahri rolou para o lado e se levantou toda arrepiada, não era raiva, mas adrenalina, o segundo susto que levava naquele dia. Instintivamente ela ergueu as mãos para criar sua orbe da ilusão, mas ao invés de seu poder se manifestar um novo soco direto a acertou no nariz fazendo-a cambalear para trás, havia esquecido que agora era humana. Lembrando-se dos ensinamentos que recebera durante o tempo que esteve com Lee no Placidium nivelou os braços e manteve as mãos retas se colocando em posição de luta. Finalmente pôde ver quem a atacava, era uma mulher de corpo atlético e cabelo curto preto com uma expressão provocadora no rosto quase saltando a um sorriso sádico. "Quem quer que seja esta pessoa ela está se divertindo me batendo? Não vai ser tão fácil agora, estou preparada." E assim ela tentou bloquear o próximo soco com as mãos e falhou, as mãos espalmadas ao menos amaciaram um pouco do golpe. Mesmo tendo executado a defesa corretamente a força da oponente era maior. Sem esperar muito a mulher iniciou um novo soco ela então mudou de tática usando a própria força do oponente para ajudar a se esquivar assim como Lee havia ensinado. O Soco passou rente ao rosto de Ahri mas com um jogo de corpo a adversária girou acertando um cruzado de esquerda certeiro que deixou-a meio tonta.
- Pode parar ai. Se você se mexer eu vou te machucar bem mais que um soco.' E ao ouvir o barulho da arma e sentir o cano do rifle na nuca a mulher parou e ergueu as mãos se rendendo. - O que fazem aqui? Vocês que estão invadindo o lugar!' O tom da desconhecida era ríspido, ela não parecia nada feliz com as visitas.
Afastando um pouco a arma Caitlyn conferiu o estado da Ahri, o nariz estava sangrando e o rosto dela tinha marcas roxas e hematomas surgindo. Passada a adrenalina ela começava a sentir a dor intensa e se encostou em uma das caixas para se recuperar. A mulher começou a se virar devagar e encarou Caitlyn com cara de poucos amigos. - Eu sou a xerife. Só entrei porque tenho uma emergência e preciso de ajuda, eu não imaginava esse tipo de recepção. É seu costume ir batendo nas pessoas assim?' Primeiro a estranha levou um susto ao reconhecer Caitlyn, depois deu um sorriso irônico tentando disfarçar a surpresa. - Só quando eu tenho uma deixa para brigar. Sua amiga é fraquinha mas vai ficar bem, eu não quis abusar quando ví que ela não sabe lutar. Posso abaixar minhas mãos?' Caitlyn acenou que tudo bem com a cabeça e mediu a mulher de cima abaixo. A mulher tinha manchas no rosto, provavelmente estava trabalhando quando elas chegaram e um risco aparecia no meio da maquiagem que estava usando próximo aos olhos. - Você é bem presunçosa, acho que minha amiga conseguiu acertar vc. Tem um corte no seu rosto.' Assustada ela colocou a mão no rosto mas percebeu que estava tudo bem, havia saido um pouco da maguiagem na luta. - É só uma cicatriz antiga. O que você quer aqui?' Indicando que ela as seguisse foram caminhando pelo corredor em direção às plataformas de embarque enquanto Caitlyn ia explicando o problema. - Uma amiga minha está com problemas e eu preciso de um transporte. Preciso disso rápido porque é uma questão de vida ou morte.' Elas chegaram às plataformas onde um dirigível de médio porte estava inflado e com as luzes acesas. Havia um painel de segurança próximo desmontado e algumas ferramentas espalhadas. Quando ouviu que elas precisavam de um transporte a mecânica soltou um suspiro nervoso e após pensar um pouco respondeu. - Droga, se é o caso não quero que ninguém morra por minha causa. Eu estava regulando o sistema de travas aqui para poder liberar o dirigível, está quase consertado. Ei fracote, jogue um pouco de água no rosto, tape o nariz e incline a cabeça para baixo.' Ela entregou uma garrafa para Ahri e então voltou a mexer no sistema das travas.
Ahri não tinha cabeça para discutir, tentava se recompor o sangue que saia do nariz já havia manchado a roupa clara que estava usando então apenas obedeceu as instruções. - Se você usasse os códigos de segurança não seria mais fácil? Parece que você está forçando uma ligação direta.' Caitlyn deu um passo em direção ao sistema e a mulher se levantou a encarando novamente. - Eu esqueci os códigos ok? Só queria deixar destravado para terminar amanhã com calma. Eu não esperava que vocês iam aparecer e é uma pena eu não ter encontrado você primeiro, eu nunca ia te reconhecer com essa roupa e ia ser lindo eu dizer pros meus amigos que surrei a famosa Caitlyn.' E sorrindo voltou ao trabalho, Caitlyn não era de deixar uma ofensa daquelas sem resposta. - Se você tivesse me encontrado primeiro as coisas seriam piores. Eu não teria tempo de te levar pro hospital e teria que levar você comigo pra te tratar no caminho.' Após dar uma alta gargalhada a mulher respondeu ainda pior, a xerife não estava lidando com uma pessoa fácil. - Pelas roupas que você usa eu nunca apanharia de uma princesa como você. O que é aquele vestido antiquado? Aqui é a cidade do progresso sabia? Acorde querida, você não teria a mínima chance, seu negócio são balas e o meu são os punhos. Subam agora que eu já terminei.' E se virando sorriu maliciosamente, Ahri passou pelas duas e subiu as escadas de ferro entrando no veículo, já estava cansada daquilo. e Caitlyn estava paralisada diante da ousadia daquela mulher. " Espere um pouco, ela está me provocando, ela acha mesmo que eu vou largar minha arma e ir pra cima dela. O que ela está pensando?" Meio desconcertada ela subiu e entrou na cabine do dirigível girando a chave mestra dos sistemas, então colocou a cabeça pra fora e tentando salvar um pouco de auto estima respondeu... - Tente não se meter em confusões, você não parece ser uma pessoa ruim mas essa boca ainda vai te colocar em apuros.' Após um soco desferido na caixa de sistema as travas foram liberadas e o mecanismo começou a impulsionar o dirigível para fora, a voz alta da mulher atravessou o barulho dos mecanismos deixando claro que ela não abaixava a cabeça para ninguém. - Estamos vivos para provar que somos fortes, para desafiar os outros e mostrar nosso valor. Este é o sentido da minha vida, não tente me dar lição de moral.' Com o rosto corado e ardendo de raiva Caitlyn gritou enquanto o dirigível se distânciava. - AMANHÃ EU VOLTO PARA LUTAR COM VOCÊ! QUAL O SEU NOME?' E a mulher sorrindo apenas acenou como um último deboche, já estavam longe demais e a discussão havia chegado ao fim.

Tentando se acalmar Caitlyn olhou para baixo e calculou a direção correta. Ahri filosofava sozinha sobre aquelas palavras verificando que o nariz havia parado de sangrar, ser humana estava sendo tão intenso quanto a dor que ardia em seu rosto. - Será que ela tem razão? A razão de viver é o confronto e provar sua própria força?' Prestando atenção à frente a xerife pensou sobre aquilo por um momento e por fim respondeu. - Acho que a razão de viver varia para cada pessoa, esta pode ser a razão da vida dela, mas ela não pode pensar que é assim para todos.' Ahri olhou para o sangue no chão e para as próprias mãos se sentindo frágil. Com a voz trêmula discordou. - Mas nós lutamos na liga, o confronto nos faz ser reconhecidos. Por quê vivemos então? Eu quis tanto ser humana e agora que sou sinto falta de meus poderes. Não, eu não sou humana, posso ter este corpo humano mas não me sinto humana, eu não entendo a humanidade e não sei se vou entender um dia.' Caitlyn olhou para trás assustada, não tinha uma resposta certa para ela mas tinha que dizer algo que a acalmasse. - Você está chorando, talvez você seja humana o suficiente mesmo que não entenda isso. Eu não sei se tenho uma resposta para você, eu tenho que pensar sobre isso quando tiver tempo e calma. Pare de se forçar, não vai te fazer bem.' Surpresa Ahri percebeu que realmente chorava, não entendia bem o porque, se achou boba por um momento e sorriu. " Será que coisas assim formam o conceito de humanidade? Como eles conseguem controlar isto?" E tentando aproveitar o resto daquela experiência que lentamente se esvaía ficou calada enquanto a viagem prosseguia.
Após alguns minutos de viagem em direção noroeste de Piltover Caitlyn avistou uma faixa de gelo no solo que parecia se estender para o mesmo destino que elas. Ahri também reparou no estranho fenômeno, nunca tinha visto algo assim antes. - O que significa isto?' Era a pergunta óbvia mas Caitlin apenas torceu os lábios sem responder, estava ficando cada vez mais preocupada. Pouco depois avisaram uma construção inacabada no meio da floresta, havia dois andares inteiramente congelados e um circulo maior de gelo dominava todo o lugar. Caitlyn Começou os preparativos para a atracagem desligando os sistemas de impulso e lançou uma âncora nos galhos de uma árvore próxima. Assim que o dirigivel parou as duas desceram por uma escada de cordas e bastões emborrachados atravessando o estranho fenômeno. - O que é este lugar?' Ahri começava a sentir calafrios, tirando o som do dirigível, tudo estava silêncioso, os animais pareciam ter fugido dali. - No futuro esta será uma torre de estudo climático para entender melhor o comportamento e influência do clima frio de Freljord, é onde a Janna vive. Cuidado onde pisa, está escorregadio.' E sem mais explicações Caitlyn avançou em direção à porta dianteira aberta que era a única entrada disponível.
Por dentro o lugar parecia mais impressionante do que por fora, o gelo cobria moveis e paredes sem formar estalactites no teto, haviam posteres do primeiro campeonato e uma pequena biblioteca de livros, Caitlyn avançava observando tudo e seguindo por onde a camada de gelo aumentava, então chegaram a um pequeno laboratório onde em um dos cantos vazios a espessura passava dos dois palmos. - Ainda bem que trouxemos estas roupas, está muito frio aqui. Sua amiga é cientista?' Ahri olhava os equipamentos de medição, tudo estava bem organizado e no lugar, a única coisa estranha era uma câmera montada num tripé apontada para o canto que Caitlyn examinava. - Ela trabalha com uma equipe, como eu disse aqui fazem estudos sobre o clima. Janna é um pouco temperamental mas é um gênio quando se trata de aprender coisas novas e os cientistas respeitam isto. Ela é uma pessoa muito agradável, mas não muito paciente quando provocada. Hum... sangue.' Ahri se aproximou e viu que Caitlyn havia raspado um pouco do gelo, através dele mesmo sendo difícil, podiam se ver algumas gotas de algo que poderia ser sangue. Apesar de ser difícil confirmar o padrão do respingo era o suficiente para ela supor o que havia acontecido. " Ela estava tirando fotos e alguém a atacou, o lugar é pequeno e ela estava de costas então era um convidado, não houve luta ou fuga. Talvez esta câmera tenha pego algo mas não tenho tempo pra descongelar isso, mais tarde eu volto." E se levantando foi andando até a porta onde parou por um momento e olhou para algo na parede antes de continuar. - E então?' Ahri não tinha entendido nada, apenas que alguém havia sido ferido alí e não sabia o próximo passo de Caitlyn. - Tenho certeza que ela não está aqui, mas sei que foi aqui que isto começou a quatro horas atrás. Janna está ferida, temos que encontrá-la." Ela andava rápido com a bota de escalada e Ahri desajeitadamente tentava acompanhar. - Mas como sabe que foi a quatro horas? E onde vamos encontrá-la?' Começava a subir as escadas enquanto Caitlyn chegou à cabine e foi ligando os sistemas, da janela ouviu a resposta e novas instruções. - O relógio de parede parou na hora que este lugar foi congelado a quatro horas atrás, Evelynn não mentiu desta vez. Solte a âncora, estamos indo para Valoran.


Comment below rating threshold, click here to show it.

FrostQueen Janna

Senior Member

11-17-2014

Após algumas horas de viagem seguindo a faixa de gelo o caminho terminava em um pequeno círculo próximo a Zaun. Caitlyn pegou o binóculo e ao reconhecer a figura caída no centro do círculo aumentou a velocidade do dirigível. - É ela, está inconsciente mas a encontramos.' Após procurar um lugar perto onde pudesse amarrar o dirigível as duas seguiram até o lugar onde Janna caída parecia estar morta. Entraram no círculo pequeno de gelo e Cailtyn a pegou nos braços, o pulso dela estava fraco e o corpo estava gelado. Tirando o casaco, Caitlyn enrolou-o na amiga e suspirou de alívio por ela estar viva.
- Janna, está me ouvindo? Acorde.' Após algumas sacudidas a jovem avatar dos ventos abria os olhos entre os cabelos loiros espalhados pelo rosto e tremendo encarava com seus olhos pretos o olhar preocupado de Caitlyn. - Xerife, es...estou presa?' Quase espirrando um sorriso Caitlyn apertou a amiga entre os braços e balançou a cabeça dizendo que não. Ahri observava com curiosidade a reação das duas, sentiu algo estranho por desejar ter uma amizade assim que largaria tudo para ajudá-la. Tinha amigos em Ionia que provavelmente estavam preocupados, mas algum deles estaria agindo como louco procurando-a como aquela humana? Parecia que não.
- Este é provavelmente o sonho mais louco que já tive. Eu, me tornando um sorvete gigante e sendo abraçada pela xerife de Piltover. Você não vai me lamber, vai?' Ajudando Janna a se levantar Caitlyn reparou que não havia nenhum sangue, o que era estranho devido ao sangue na casa. - Não, você não é um sorvete e eu não vou te lamber. O que a nossa inteligente celebridade faz com a roupa do torneio em um lugar como este? Eu não sei o que você bebeu, mas você não está sonhando Janna.' Caitlyn tentou tirá-la do gelo, mas no primeiro passo Janna se desequilibrou segurando-a com força. - Não sinto minhas pernas, o que aconteceu comigo? Se não estou sonhando onde estão as caudas da Ahri e porque ela parece totalmente humana?Aliás, porque parece que ela acaba de sair de uma briga de bar?' Ouvindo seu nome ser pronunciado e sendo descrita com tantos detalhes Ahri ficou um pouco desconcertada. Os acontecimentos passados no campo da justiça não haviam criado nenhuma rivalidade entre as duas, mas Ahri nunca havia conhecido Janna como pessoa. Ela era apenas mais um campeão a ser derrotado e aquela situação era estranha, mas certamente Janna a via com outros olhos. - Eu só estou aqui porque Caitlyn está cuidando de mim. Não se preocupe comigo.' E dando alguns passos pra tras esperou ser deixada fora das explicações. - Caitlyn protegendo Ahri e as duas vindo juntas para onde quer que seja este lugar me salvar. Estou me sentindo especialmente importante hoje. Pena que não tenho a mínima idéia de como me meti nesta situação.' E olhou para Caitlyn de um modo analítico que era característico dela, estava gostando mas também estava tentando entender o que estava acontecendo. - Estamos perto de Zaun, não se lembra de como chegou até aqui? Alguém te trouxe? Sua casa está inteira congelada e certamente há um culpado.' Assim que ouviu o nome da cidade ser pronunciado Janna fixou o olhar no gelo e pareceu perdida por alguns instantes, então finalmente disse algo. - Zaun... Os órfãos...' Tentando puxar Janna para fora dalí Caitlyn encontrou resistência, parecia que ela finalmente tinha controle sobre as pernas mas não se movia, continuava encarando o gelo. - Órfãos? Janna, vamos sair daqui e depois tentamos descobrir o que aconteceu.' Tentando novamente sentiu o corpo de Janna ficando gelado. "Não faz sentido, será uma armadilha? Se este gelo for a habilidade de algum desconhecido de fora da liga podemos todas estar em perigo." E puxando com mais força sentiu a mão de Janna tocando seu ombro. Cristais de gelo se formaram entre os dedos dela e Caitlyn ajoelhou de dor. - Os órfãos precisam ser salvos. Eles crescem entre a escória que os está contaminando e precisam ser purificados. O gelo irá parar o coração dos injustos e tocará a alma dos que precisam ser libertos,Zaun precisa ser expurgada e você não vai me impedir.'
Caitlyn levantou a cabeça e após parecer triste por um momento. Janna não parecia demonstrar mais qualquer sentimento, a íris dos olhos dela haviam mudado de cor emanando um azul cintilante, mas não era a única mudança, Janna emanava um poder que a estava mudando, o traje do torneio se distorcia tomando uma nova cor e forma junto do cetro que agora estava nas mãos dela. Percebendo tarde demais que todo aquele poder estava formando um redemoínho, Caitlyn foi pega e rodopiou no ar sendo arremessada para o alto por um furação congelante antes de perder os sentidos.
- Humana, você está viva?' Caitlyn abriu os olhos e deu de cara com o rosto de Ahri a encarando. A moça a cutucava e parecia tentar cheirá-la. Ainda atordoada Caitlyn torceu os lábios e afastou o rosto esperando que ela entendesse o quanto aquilo era estranho, e então sentiu o corpo pesado e frio. Havia pedaços de gelo sobre ela e uma faixa irregular de cristais de gelo formados no lugar onde ela estava caída. Então lembrou o que aconteceu e sentando-se começou a remover as pedras de gelo. Seu corpo tinha cortes e seu ombro ainda doía. Enquanto tentava se recompor Ahri lhe estendeu o casaco que havia sido abandonado no meio do gelo, parecia tão pensativa quanto ela. "É tão frustrante isto, não pude sentir a energia vital dela, nem mesmo o cheiro. Meu nariz está muito estranho..." - Atchim!' E vermelha Ahri virou de costas para Caitlyn, não ficava gripada desde que era uma raposa e tinha sido pega de surpresa pelo novo inconvêniente. Percebendo a reação dela Caitlyn abaixou a cabeça e balançou negativamente antes de se levantar e procurar o rifle. - Por quanto tempo eu apaguei? Ela foi em direção a Zaun, não foi?' Ouvindo ela fazer aquelas perguntas e vendo ela checar o rifle Ahri confirmou o que já suspeitava, Caitlyn iria atras da mulher. - Por quê você vai continuar procurando-a? Ela enlouqueceu e quase te matou. Áliás EU te salvei, você me deve sua vida agora.' E com o dedo apontando para Caitlyn a força daquelas palavras pareceram perder a força quando ela viu a preocupação estampada no rosto da policial e foi recolhendo o dedo se sentindo arrependida pelo que disse. - Antes, com seus poderes você sempre me pareceu confiante, lutando nos campos da justiça, perseguindo e seduzindo os outros. Mas agora que você está deste jeito eu pude te conhecer melhor e entendi que você é como uma criança Ahri. Você não entende muito bem o conceito de amizade, pelo menos não profundamente. Olha, eu não culpo você, estamos quites. Mas mesmo que eu saiba do perigo eu não posso recuar. Não é uma briga de amigos em que vc se machuca vai embora e termina a amizade. É uma briga em que você sabe que mesmo apanhando você não pode sair dalí até tudo estar bem. Porque você quer ver aquela pessoa novamente, porque você quer saber que está tudo bem. Se não quiser vir eu entendo, pode esperar no dirigível. Ninguém está nos seguindo então não precisa ter medo. Eu vou e se eu não voltar em duas horas volte para Piltover, sei que você vai conseguir pilo...' Ahri começou a andar em direção de Valoran, não por medo, mas por orgulho. A "humana" havia decifrado o quebra cabeças e agora seu sentimento de vergonha se desenvolvia...
Após algum tempo de caminhada a trilha de gelo havia sumido e chegaram à cidade. A poluição era evidente, Quase todas as construções continham chaminés soltando algum tipo de fumaça, a visão da cidade era quase monocromática. Não haviam construções de cores alegres que pudessem se destacar, tudo mantinha um certo padrão triste assemelhando-se a uma gigante fábrica que trabalhava continuamente. O cheiro incomodava e os passantes aparentavam ser problema. Caitlyn já havia estado alí antes, mas era a primeira vez de Ahri que se sentia descobrindo uma parte obscura da natureza humana, um lugar para ser evitado. E de fato Zaun abrigava uma população estranha e corrompida, a criminalidade parecia comum alí e Caitlyn sabia disso. Sendo pega pelo braço, Ahri teve o passo apressado. - Pare de olhar para as pessoas, você está atraindo atenção. Apenas olhe seriamente para frente e me siga como se conhecesse o lugar e soubesse exatamente o que está fazendo aqui.' Soltando o braço Ahri olhou com raiva e depois acenou acatando a ordem. Ela sentia desconforto após a última discussão e não era um pedido realmente difícil, afinal ela se sentia alí contra a vontade.
Atravessando algumas ruas Caitlyn se dirigiu direto a um lugar com portas antigas de metal. Havia um letreiro no topo mas estava bem destruído então era dificil identificar o nome do lugar, mas ela empurrou as portas sem cerimônia entrando por um pequeno corredor que dava a um salão dividido em plataformas de telas de metal e pontes de correntes que ligavam os diversos pontos. Haviam muitas pessoas circulando e bebendo, apesar de parecer uma fábrica aquele lugar era um dos mais conhecidos bares do submundo de Zaun.
Ahri andava atras de Caitlyn apreensiva, a maioria alí carregava diversos tipos de armas e lâminas, e os que não carregavam pareciam ter bolsos e roupas próprias para esconder. Eram pessoas intimidadoras, mesmo os que se divertiam aparentavam estar prontos para brigar. Elas atravessaram o lugar subindo por uma das plataformas, no canto havia um balcão onde um homem de cabelo ruivo e olhar mal encarado servia bebidas. Caitlyn se meteu entre os "clientes" e tentou chamar o homem que estava sendo bem requisitado. Enquanto isso Ahri olhou para traz observando um grupo barulhento mexendo com uma mulher tatuada que havia servido algumas garrafas na mesa deles. Dois deles eram truculentos e um mais magro. Tinham coldres com partes de metal onde só se viam cabos do que podiam ser facas ou algum objeto cortante e eram muito mal educados. - Vamos sente-se conosco. Vamos gostar de beber juntos. Vamos divertir o lugar.' E puxando a mulher pelo braço riam vendo que ela resistia ao convite. - Tenho mesas a servir, porque insistem? Vamos rapazes, apenas aproveitem a bebida sem confusão ok?' E eles não pareciam convencidos. - Mas nós pagamos, mas nós queremos sua companhia. Mas você ainda diz não?' O rosto deles tinha certas deformações, Ahri não sabia o porque, mas era pelo contato e uso contínuo de elementos químicos. Era comum em Zaum os viciados pois alí o comércio e o aprimoramento daquelas drogas não tinha controle. Subitamente largaram a mulher que saiu em disparada daquele canto, quando Ahri percebeu eles já estavam a encarando, ela havia lhes chamado a atenção. - Caitlyn... Acho que temos problemas.' E se virando rapidamente a cutucou mas sem resposta, Caitlyn havia finalmente agarrado o punho do homem e disse a ele quase como uma ordem. - Eu preciso usar a sala. Agora.' O homem então olhou para ela com raiva e respondeu à altura. - Eu acho que o preço acabou de subir moça. A menos que você possa me pagar muito mesmo por este abuso.' E soltando a mão dela ele olhou para baixo onde guardava sua arma em um compartimento de segurança e Caitlyn achou melhor esclarecer antes que as coisas saíssem do controle. - Eu não tenho dinheiro, eu tenho uma senha.' Então o homem pareceu surpreso e inclinando a cabeça se aproximou para ouvir, mas era um pouco tarde, os clientes se afastaram do balcão prevendo confusão e ela finalmente pode ouvir a voz de Ahri trêmula atras dela. - Caitlyn... Temos companhia.'
Virando-se ela deu de cara com os três estranhos que se aproximavam impedindo a passagem. - Isso, companhia. Isso, moça bonita. Isso, é o que queremos.'
Um deles colocou a mão no ombro de Ahri, Caitlyn segurou o pulso dele e o chutou para longe. Os outros riram do acontecido e um deles tirou a arma do coldre mas não era uma faca e sim um ordinário cutelo de cozinha bem gasto. O mais magro apoiando-se no ombro do parceiro ergueu o indicador balancando-o negativamente. - Você estão encrencadas. Hahaha, ninguém se mete com os seguidores do Doutor Mundo.' E teve o sorriso interrompido pelo rifle da xerife sendo erguido e apontado em um único movimento para seu rosto. - Não estou com tempo para lidar com lunáticos. Saiam.' encarando o cano da arma o estranho começou a rir novamente enquanto o parceiro caído se levantava puxando dois cutelos. - Vamos precisar amaciar a carne antes de nos divertir.' E um cutelo passou girando próximo do rosto de Caitlyn antes de cravar no painel de bebidas do bar, ela mal teve tempo de esquivar. Tirando Ahri do caminho ela atirou no peito do mais magro. A bala atravessou-o saindo pelo outro lado e então toda a atenção do lugar se voltou a eles... Gritos e vaias encheram o ambiente, a platéia queria ver morte.
O ferido empurrou o parceiro em direção à Caitlyn e ele a segurou pelo pescoço prensando-a no balcão. Quando ergueu o cutelo para desferir o golpe final teve o pulso estourado por um tiro do rifle. Caitlyn tentou pegar o cutelo que caia enquanto ele olhava entristecido para a mão estourada, mas vendo que não alcançaria usou a primeira garrafa no caminho para acertá-lo na cabeça. Os outros dois avançavam para cima dela quando um prato se espatifou no rosto do mais magro. Caitlyn rolou pelo chão saindo do caminho e parte do balcão foi destruída pelo avanço louco do que havia arremessado o cutelo, ele bateu com tudo derrubando o parceiro sem mão e vinha dando golpes no ar tentando alcançá-la. - Quero brincar com você, quero você parada. Quero você morta.' Apesar de ter se saido bem Caitlyn foi empurrada pela platéia de volta e parou bem na frente do agressor que sorriu mirando no pescoço dela. Pensando rápido ela virou o rifle pro lado e apertou o gatilho secundário sendo arremessada para debaixo de uma das mesas com o recuo potente da arma enquanto a rede atingia um dos clientes torcedores, o cutelo havia passado perto cortando alguns fios do cabelo dela. Com dor por ter sido pega de mal jeito pela coronha ela ouviu uma risada característica acompanhada pelo som de pratos quebrando, era Ahri que começava a se divertir acertando o rosto do mais magro usando os pratos do balcão com o mesmo movimento que executava o disparo de sua orbe. Infelizmente para Ahri, os pratos estavam prestes a acabar...
Caitlyn virou a mesa prevendo o próximo ataque de seu oponente, quando sentiu o golpe e viu a ponta do cutelo atravessando o tampo sentiu um certo orgulho por ser tão estudiosa nas táticas de combate. Havia sido descuidada quanto à reação da platéia, mas já tinha uma visão clara dos próximos movimentos, e apenas ouvindo o barulho dos passos pesados se aproximando esperou o momento certo. O fanático avançava em direção da mesa quando sua vitima levantou subitamente com o rifle apontado para seu rosto. - São tipos como você que dificultam meu trabalho.' O tiro ecoou sendo abafado pelo delírio dos delinquentes que assistiam à luta. Ahri estava empolgada, estava se defendendo sozinha e sem poderes, eis que estendeu a mão sobre o balcão novamente e não encontrou nada, havia usado todos os pratos. Com o rosto ensanguentado o estranho e magro homem pulou na direção dela pegando-a pelo pulso, Ahri sentiu a carne queimando e se jogou para trás por cima do balcão, tinha algo estranho nas mãos dele, era uma luva carregada de microinjetores químicos. Começando a tontear ela apenas viu um dispositivo redondo e metálico ser atirado nos pés dele, o objeto se agarrou ao chão e se abriu mostrando garras afiadas que se fecharam violentamente prendendo-o. "Hã? Uma armadilha?" Ele não teve muito tempo para entender até virar o rosto e ser atingido por uma forte coronhada na cabeça e desmaiar. Haviam sido derrotados pelas mulheres.
Em meio a vaias e risos dos estranhos Caitlyn avançou até Ahri e a segurou voltando-se ao homem do bar. - A senha é T Voodo S. Agora tire-nos daqui.'
O homem franziu a testa ao ouvir aquilo, algumas brigas começaram a se desenvolver entre o público dividido, Caitlyn sabia que era uma questão de tempo até ser reconhecida por alguém. Tirando uma arma de aparência estranha e cano quadrado de baixo do balcão ele atirou no teto silenciando o ambiente. - NÃO ESQUEÇAM ONDE VOCÊS ESTÃO! ESTA CLIENTE E SUA ACOMPANHANTE ESTÃO SOB A PROTEÇÃO DA CASA.' E apontando para onde elas deveriam ir os clientes foram abrindo passagem até eles adentrarem um elevador industrial. - É uma arma interessante a que você tem ai. Conheço armas, mas nunca ví uma destas.' Apesar da arma não ser muito potente o formato chamava atenção suficiente para que ela se interessasse. Fechando a grade do elevador e acionando o último andar o homem puxou o braço de Ahri enquanto respondia a dúvida de Caitlyn. - É uma arma-relíquia, ao menos uma réplica do que pude me lembrar. Antes de trabalhar aqui eu conheci um casal que utilizava estas armas e me deixaram muito impressionados. Sua amiga vai ficar bem, se ele a segurasse por mais tempo talvez perdesse este braço. Mas a cicatriz do ácido vai ficar.' Ahri estava tonta, não conseguia pensar direito e a subida do elevador lhe causava vertigens. Estava longe de entender o quão feio seu pulso estava. Caitlyn não podia fazer muito, apenas queria obter a informação e sair o quanto antes dali, estava preocupada mas também curiosa. "Armas-relíquia, tenho certeza que já lí algo sobre isso." - Hum, então as originais devem fazer um estrago bem maior, lembra do nome deste casal? Gosto de armas e adoraria ver uma deste tipo.' Ele abaixou a arma e ficou sério. O elevador ainda estava na metade do caminho emitindo sons de metal velho sobre as roldanas com pouca graxa e aquela atitude era desconfortável, eis que ele respondeu. - Segredos custam caro e alguns não tem preço. Eu fiquei anos imaginando como seria a pessoa que usaria esta senha, e aqui está você. Tenho quase certeza que você conhece o chefe e provavelmente ele deve ter lhe contado a história de Tabu.' Ao mencionar o nome Caitlyn apertou os lábios com raiva e tristeza nos olhos respondeu irritada. - Não há o que contar, eu estive lá.' Assustado ele apertou o botão de parada do elevador e com os olhos arregalados perguntou-lhe. - Você o conheceu? Você sabe o que aconteceu com ele?' E esmurrando o botão de continuar ela o encarou fazendo-o recuar contra a grade do elevador. - Há coisas que deveriam ficar mortas no passado. Você está certo, alguns segredos não tem preço. Seu chefe não irá gostar de saber que me fez perguntas sobre isto então encerramos aqui ok?' E aquele homem assustado com a possibilidade dela estar dizendo a verdade apenas concordou abaixando a cabeça com amargura no olhar.
O elevador parou em um salão acima do bar com um tapete vermelho estilizado que imitava uma gigante flor de vitrais misturado a elementos tribais. Estava bem sujo e gasto mas chamava atenção. Instalados nas paredes estavam dezenas de terminais de metal parecidos com caixas de banco, alguns ocupados por estranhos provavelmente procurados por algum crime. - Bom, chegamos. Aqui é onde os contatos são feitos com os informantes, é um sistema de comunicação seguro e discreto, a maioria usa nossos serviços.' Estalando os dedos ela chamou a atenção dele. - Eu já conheço o sistema, pode pular o tour e vamos ao que interessa.' Silenciado o homem seguiu até um dos cantos abrindo uma porta toda vermelha onde entraram em uma pequena sala particular com apenas um terminal com tela maior que os outros e alguns dispositivos na parede. Ele colocou um fone de ouvido e acionou o teclado entrando com uma senha que Caitlyn não pode ver e após uma checagem de digital a tela mostrou um prompt intermitente. antes que ele pudesse dizer algo alguém havia começado a digitar em resposta. [Então Caitlyn, já faz tempo. Você veio atrás da controladora dos ventos não foi?] Ao ler o nome dela o homem entendeu que havia acabado de proteger a xerife de Piltover e que ela tinha alguma ligação importante com seu chefe e com um passado que permanecia um mistério. - Você sabe que eu nunca pisaria aqui se não fosse uma emergência.' Após uns segundos de silêncio parte da tela abriu um mapa da cidade com uma área marcada e um trajeto do Bar até ela. [Use bem este favor, isso quita nossas diferenças. Esta mulher que você procura esta na área perto dos armazens. É um lugar conhecido como orfanato pois é onde os jovens batedores de carteira e crianças abandonadas vivem. Meus informantes disseram que ela congelou algumas pessoas que tentaram abordá-la. Não me interessa o que ou o por que do seu problema, estou apenas cumprindo minha palavra. Da próxima vez que nos encontrarmos eu poderei te matar então nunca mais pense em por os pés aqui de novo.] E a tela desligou. - E eu poderei prendê-lo. Não se esqueça disto também.' Após alguns momentos de conversa entre o homem e o chefe pelo fone, eles sairam da sala voltando ao elevador onde ele retirou uma chave e utilizou no painel segurando o botão térreo.
- O chefe disse que iria fazer o possível para conter a notícia para que ninguém se intrometa na sua perseguição. Ele disse também para escoltar você em segurança para fora do bar e explicar como chegar lá, e ele disse também que a senha está cancelada e que se você aparecer aqui novamente que eu devo atirar em você.' Ahri riu, finalmente esboçava alguma reação após o incidente. - Parece que você tem alguns amigos ruins humana.' Ela segurou o braço do homem e disse sem a menor cerimônia. - Você humano... Você gosta de mim?Você atiraria em mim?' E sorrindo para ele estendeu a mão soprando um beijo no ar até levar uma sacudida de Caitlyn que corada tentava disfarçar a vergonha. - Hahahahaha. Gosto de você sim moça, não se preocupe, só tenho ordens para atirar na sua amiga.' Pela primeira vez ele havia sorrido, não parecia ser tão mal daquele modo mas Caitlyn sabia que devia levar o aviso ao pé da letra, era a última vez que pisaria alí dentro. Eis que o elevador parou em uma sala escura. "Passamos do térreo, mas porque?" e assim pensando ela foi puxando o casaco lentamente abrindo a parte da cintura onde o rifle estava pendurado.


Comment below rating threshold, click here to show it.

FrostQueen Janna

Senior Member

11-17-2014

- Você não vai precisar disto, acalme-se.' O homem abriu as grades e acionou um interruptor que iluminou uma pequena sala com apenas uma porta vermelha. "Hum, ele não é qualquer um, percebeu meu movimento com o canto dos olhos. Devo redobrar a atenção aqui." Indo até um pequeno armário ele pegou um frasco com um líquido dentro e algumas gazes, pomada e ataduras. Ao estender o frasco para Ahri foi impedido pela mão de Caitlyn. - É remédio, não vai poder perseguir ninguém com ela nestas condições.' Mas antes que ela dissesse algo a mão de Ahri empurrou a dela para o lado e pegou o frasco bebendo em seguida. Ahri estava mal demais para pensar no quanto aquele ato podia ser perigoso, não tinha o pensamento analítico de Caitlyn e era impulsiva demais para ser parada. Enquanto era tratada começou a sentir uma certa euforia com o gosto do medicamento que se espalhava pelo corpo. Fosse o que fosse agia rápido. - Atravessaram a porta seguindo por um pequeno corredor mal iluminado e sem saída. Ao final alguns sensores detectaram a presença deles e após mais uma verificação de identidade a pesada parede começou a deslizar para o lado, haviam saído na parte de despejo de lixo atrás do bar. O cheiro era ruim, mas não parecia tão ruim quanto o ar poluído de Zaun. - Sigam em frente por duas quadras, depois virem à esquerda e continuem seguindo até encontrarem galpões e uma estrutura alta em ruínas. Lá encontrarão alguns jovens batedores de carteiras e crianças, é a área onde vivem os abandonados de Zaun, sua amiga foi vista por lá. Meu nome é Alvesh, gostaria que soubesse pois a próxima vez que nos virmos terei que atirar em você. Boa sorte.' E acionou novamente o dispositivo começando a fechar a passagem. - Espero que nunca tenhamos que nos encontrar novamente, obrigado Alvesh.' E de volta às depressivas ruas de Zaun as duas iniciaram a caminhada rumo ao objetivo, encontrar Janna.
Caitlyn apontou para uma janela aos pedaços e Ahri fechou os olhos suspirando fundo... - Vamos Ahri, eu te compro um biscoito de cachorro amanhã, ok?' E sem esperar correu e se jogou janela a dentro espalhando os cacos de vidro pelo chão. Ahri a seguiu furiosa. - Caitlyn! Eu não sou um cachorro.' Enquanto Caitlyn levantava o chão começava a se transformar em gelo, Janna olhava para as duas cercada por crianças apavoradas que estavam com os pés presos no gelo. Mais crianças vinham de outro cômodo do antigo lugar atraídas pelo barulho. - Corram crianças. Ei Janna, estes estão sob minha proteção e nunca serão libertos!' O olhar frio de Janna não esboçava sentimento, com um gesto de Caitlyn as crianças e Ahri começaram a correr. - Farei você parar primeiro, eles devem ser libertos e os outros devem sentir o meu castigo.' Janna começou a flutuar em direção a Caitlyn que antes de correr deu um tiro no chão fazendo-a parar por um momento. - Este é meu último aviso Janna, volte a si ou eu terei que te ferir.'
Virando um corredor saiu em um salão amplo todo de metal com uma enorme cruz de madeira. Haviam duas fileiras de barricadas fixas ao chão formando um caminho até uma grande porta lacrada por metal derretido. "Uma zona de treinamento? O que é este lugar?" Em um dos cantos da sala havia uma saída, mas assim que Caitlyn se aproximou um dispositivo acionou descendo barras de segurança que impediam o escape. - Caitlyn!' Ahri apareceu do outro lado assustada com a inesperada surpresa e começou a socar as grades. Cada golpe o som ressoava mais forte, até que a mão de Caitlyn tocou a dela impedindo de dar o novo golpe. - Ahri acalme-se. Se você não se acalmar não vai poder tirar as crianças daqui.' O olhar de Cait era sério, então Ahri sentiu que estava diferente e olhando para as próprias mãos percebeu pêlos e garras, levou as mãos até o rosto e percebeu que estava deformado, seu nariz se confundia com um fucinho e podia sentir os dentes maiores. - Porque estou assim?' A voz saiu grave e as crianças se assustaram mantendo distância, Caitlyn olhava para aqueles olhos selvagens se perguntando o que fazer e quanto tempo tinha antes que Janna chegasse até alí. - Nós estamos com um grande problema.'
Ahri olhou para as crianças e deu um sorriso malicioso por um momento. - Pode deixar eu cuido dos filhotes. Vou tentar dar a volta e chegar até onde você está." Batendo contra as barras Caitlyn chamou-lhe a atenção. - Você não vai a lugar nenhum raposa. Eu resolvo esta situação e depois tentamos damos um jeito neste sistema de segurança." Contrariada ela quase rangeu os dentes mostrando sua insatisfação. - Não temos tempo. Você quer lutar contra ela sozinha? Você não vai lutar sério contra sua amiga, sem a minha ajuda você vai acabar deixando ela te matar. Se quer mesmo lutar sério esta humanidade de vocês não servirá. Vocês sempre me tratam como humana mas não confiam em mim porque enxergam o que eu sou por dentro, esta forma que está olhando para você agora, você me vê como uma raposa." Janna havia entrado no salão e congelava a passagem para que Caitlyn não pudesse sair. - Ei, chega de sentimentalismo ok? Está certo que aprendemos desde cedo que é um erro confiar em raposas, mas eu estou confiando em você para não tentar entrar aqui. Eu prometo que vou resolver isso sem sua ajuda e sem me matar.' E assim dizendo Caitlyn correu abaixando-se em uma das barricadas. Janna avançou levitando até o centro da sala onde olhou para a enorme cruz que alí estava. - Aqui estou novamente, é um lugar honrado para que você morra pelo pecado de se opor a mim." E virando-se formou um redemoínho que após crescer o suficiente avançou com força atravessando um pouco a barricada antes de se desfazer. Sem resposta Janna avançou e ao fazer a curva algo levantou do chão cravando em seu tornozelo e a puxou para baixo, era uma das armadilhas de Caitlyn que agachada no fim da barricada correu para a segunda fileira escondendo-se novamente. "O que eu faço, se eu me aproximar muito e ela me acertar com aquele pássaro é meu fim." Janna formou gelo em volta do calcanhar e com um chute se livrou da armadilha. Não parecia esboçar qualquer sentimento de dor, apenas circulava a barricada em direção à segunda fileira. Ahri observava sem saber o que podia fazer para ajudar e para piorar seu estômago roncava e seus instintos puxavam sua atenção para as crianças assustadas que estavam alí. - Hey, filhotes humanos, saiam daqui. Tentem encontrar uma saída e se salvem. Vão!' Mostrando os dentes fez com que as crianças corressem, respirava ofegante contrariando seus impulsos que a impeliam a se alimentar. - Janna, isso vai doer mas não tenho escolha.' Virando a nova fileira de barricadas Janna seguiu a voz de Caitlyn e olhou para baixo esperando uma nova armadilha com o dedo apontado para mandar seu pássaro espiritual mas Caitlyn havia rolado para longe do alcance e de lá apontava o rifle para ela.
Um tiro fez ressoar o barulho ensurdecedor pela sala, a bala fez a trajetória em direção a uma das pernas de Janna e parou no ar envolvida por uma camada de energia e gelo... Jana havia formado um escudo a tempo. - Droga!' Não houve muito tempo para reagir, após o tiro Janna se aproximou o bastante com o dedo apontadopara ela e o pássaro espiritual deu um rasante em direção à cabeça de Caitlyn. A Xerife rolou pelo chão cobrindo a cabeça como pode com o casaco que começou a se congelar assim que atingido. Apavorada tentando se livrar da roupa Ela observou Janna se aproximando novamente, então finalmente correu deixando a arma e o casaco para trás.
Praticamente em cima da arma Janna olhou para baixo vendo que não precisava mais se preocupar com aquilo. - Você acha que isto irá salvar você?'
Janna apontou para a arma mas antes que pudesse fazer algo um som etéreo seguido por uma aura rosada a envolveu, Ahri havia conseguido invocar seu encanto e a puxava em direção da grade. - Caitlyn! Agora!' Avançando Caitlyn deslizou pela camada de gelo que cobria o chão e pegou o rifle apontando-o para Janna indefesa presa pelas garras de Ahri nas barras. Por um momento ela pode atirar mas não conseguiu. Saindo do transe Janna olhou para ela e se soltou congelando as garras de Ahri que recuou com dor. Procurando uma alternativa Caitlyn girou a arma para trás e deu as costas acionando o projétil da rede contra o chão. Com o recuo da arma ela se chocou contra Janna com força batendo a cabeça dela contra as grades. Caitlyn caiu no chão sentindo o gelo se formando nas costas e se arrastou olhando para trás, Janna estava atordoada mas não havia perdido os sentidos e começava a se levantar novamente. - Ahri, Você está bem?' Do lado de fora Ahri estava ajoelhada do lado das barras abraçando as garras congeladas tentando evitar entrar em choque, quando finalmente sentiu um espaço entre os dedos e tirou o gelo como se fossem luvas, havia voltado à forma totalmente humana. - Meus poderes se foram novamente e não consigo sentir minhas mãos, não tenho como te ajudar, você podia ter atirado nela.' Caitlyn sentiu o gelo prendendo-lhe as botas, e viu que Janna levitava novamente avançando até ela, sua face agora demonstrava descontrole sobre os sentimentos e ela pressionava as mãos sobre a cabeça. Caitlyn segurou o rifle com força batendo o contra o gelo não sabia ainda como resolver aquela situação sem colocar a vida da amiga em risco e não sabia se ela ainda a atacaria. - Não é tão fácil como parece. Se fosse só questão de atirar eu já teria feito. Mas atirar em um amigo...' Janna parou contorcendo-se em dor com aquela estranha energia mágica percorrendo seu corpo, suas novas vestes de gelo começavam a se deformar novamente até que em um ápice de descontrole Janna ergueu o cetro fazendo a energia explodir em seu ultimate. Catlyn foi arremessada com força quase do outro lado da sala, seus olhos estavam completamente brancos e a armadura escurecia a medida que raios se formavam e partiam o gelo recêm formados, ela estava tomando uma nova forma.
- ELA VAI TE MATAR!' Ahri assistia aquilo assustada, e não entendia sua preocupação, teria se apegado à Caitlyn? Mas não importava, o modo como aquilo estava indo significava que não poderia impedir. Então surpresa viu Caitlyn sangrando e cheia de ferimentos no rosto em posição de executar seu às na manga, o tiro fatal que era seu último recurso de batalha. Janna começava a sentir a nova energia fluir e os raios ganhavam uma forma mais destrutiva acertando as barricadas. - Eu sou a tempestade, eu sou a própria destruição...' Em êxtase ela começava a tocar os raios com as mãos enquanto sentia que faltava pouco para a transformação estar completa, seus cabelos se tornavam brancos e o cetro firmava um novo formato(*Skin Janna Tempestuosa). Ahri queria que Caitlyn atirasse mas algo em sua incompleta noção de humanidade sabia que aquilo não estava certo. Caitlyn tentava ignorar a dor enquanto fechava a mira sem certeza se estava fazendo a coisa certa. " Por favor, invocadores me dêem sua benção neste tiro, mesmo sozinha permitam eu elevar minha concentração novamente" E o som do tiro ecoou pelas paredes, Janna caiu ensanguentada sentindo que os poderes a abandonavam...
Caitlyn avançava cambaleando em direção da amiga, os raios haviam se dissipado e as vestes haviam voltado ao normal. Janna estava pálida e inconsciente, mas a preocupação de Caitlyn era outra, empurrou o corpo dela e olhou bem para o local que o tiro havia atingido e com lágrimas nos olhos sorriu estancando o sangue que saia com a mão. - Eu acertei, eu acertei... Você vai viver. Janna fale comigo.' Mas não havia resposta, apesar do ferimento não ter sido em um ponto vital o choque havia sido muito forte para ela. Ahri suspirou aliviada e sem explicação aparente as barras começaram a subir, o sistema havia sido desligado. Ahri entrou e ajudou Caitlyn a carregar Janna.
- Eu não ataquei os filhotes, e também acho que te respeito agora. O que você fez, foi coragem. Foi isto não foi?Receio que a humanidade seja muito intensa, eu conseguirei lidar com isso?' Ahri olhava curiosa para Caitlyn que apertava o passo sob os olhares assustados dos órfãos de Zaun. - Eu sabia que você não ia fazer isto, você passou a me chamar pelo nome e eu percebo o quanto é importante para você, mas não temos tempo para isso, estamos em Zaun e ainda corremos perigo...' Mal acabava de falar e deu de cara com a estilosa réplica da arma relíquia apontada para seu rosto. Alvesh sorriu por um momento aproveitando o medo no rosto delas e então se explicou. - Não me leve a mal, saí um pouco mais cedo do serviço hoje e não queria levar um tiro quando te encontrasse novamente. Acho que gostei mesmo da sua amiga, então vim aqui me certificar que vocês conseguirão sair da cidade sem problemas.' Rindo ele abaixou a arma e a guardou. Caitlyn estava agradecida mas lançou um olhar de quem não havia gostado da brincadeira, Ahri sorriu deixando-o segurar Janna. - É claro que gostou, a maior qualidade de vocês é que todos ficam encantados comigo.' E seguiu na frente sentindo sua auto estima revigorada. Elvesh pegou Janna no colo antes que Caitlyn pudesse protestar. - Ela está sangrando.' Mas sem diminuir o ritmo da caminhada ele apenas olhou e rebateu. - Como ela está sangrando se não há nenhum ferimento? Vamos, temos pouco tempo até que sua presença aqui acabe vazando.' E surpresa ela olhou novamente e viu que o ferimento estava totalmente fechado.
Um pouco afastado dalí uma moto saía da cidade e estacionava sozinha proxima às arvores antes que a figura chamativa de Evelynn decidisse aparecer. Ela puxou um aparelho celular e discou um número iniciando uma conversa... - Sim, fiquei realmente impressionada com o resultado... Sim, você estava certo, era um ótimo alvo... Mantenha-me informada, você conseguiu chamar minha atenção.' E deixando o telefone cair, ela o destroçou com seus espínhos do ódio antes que chegasse ao chão e gargalhou correndo e desaparecendo entre as árvores.
Nos limites da cidade Elvesh se despediu das três e assim que se distanciaram abriu a mão olhando para o projétil sujo com um pouco de sangue. Ele franziu as sombrancelhas e o guardou caminhando de volta à cidade. Caitlyn desceu o dirigível e colocou Janna dentro e voltaram para Piltover onde um destacamento de policiais estava as esperando na plataforma de embarque. - Atraquem, esta é uma ordem da polícia de Piltover. Caso desobedeçam seremos obrigados a derrubá-los.' Sem se abalar Caitlyn obedeceu a ordem e atracou o dirigível saindo com as mãos levantadas sob a mira de alguns policiais que levaram um baita susto ao reconhecê-la. - É a Xerife!' guardando as armas quase que imediatamente eles se aproximaram e ajudaram Ahri a carregar Janna. - Alguém vai me explicar que bagunça esta acontecendo aqui?' O policial responsável avançou e começou a relatar a situação. - Tivemos alguns roubos pela cidade e os ladrões iam usar um dirigível para fugir. Por algum motivo eles se atrasaram e conseguimos prendê-los a tempo, quando o seu dirigível apareceu pensamos que pudessem ser cúmplices dos ladrões, principalmente por causa do sistema de segurança que foi burlado. Desculpe pela confusão, vamos interrogar os ladrões e você terá o relatório completo amanhã Xerife.' Afirmando que tudo bem com um gesto com a cabeça, Caitlyn ajudou a carregar Janna até um hospital próximo e após um exame simples o doutor deu o diagnóstico. - Bom, ela está dormindo.' Boquiabertas Ahri e Caitlyn se olharam não acreditando que aquilo pudesse estar certo. - Como assim dormindo? Ela quase morreu. Ela deve estar em choque ou com algum trauma. Você sabe o que está fazendo?' Segurando o médico pelo colarinho ela foi empurrando ele para trás e ele tentou da melhor forma que pôde acalmá-la. - Xerife Caitlyn, fisicamente ela não apresenta nenhum machucado e ela acordou a pouco e pediu água e voltou a dormir. Eu posso fazer exames mais detalhados e raio x, mas ao que me parece o problema dela é esgotamento.' Ahri estava cansada e Caitlyn não queria mais discutir, se Janna havia pedido água e estava bem os exames podiam ficar para o dia seguinte mas ela não podia correr o risco de deixa-las sozinhas então pediu um taxi e decidiu que cuidaria das duas pessoalmente.
Era quase meio dia quando Ahri acordou sentindo mãos agarrando-a por debaixo do lençol e alguém enfiando o nariz pelos seus cabelos. - Ahri, você tem o cheiro da floresta snif snif.' E arregalando os olhos ela pulou caindo da cama, era Janna que havia acabado de acordar. Caitlyn apareceu na porta usando uma camiseta de alguma banda que Ahri desconhecia e olhou para as duas. - Vocês acordaram, desçam para tomar o café.' Protestando Ahri correu até ela e a segurou pelo braço. - Por que eu estava ali com aquela doida? Ela podia ter me matado.' Caitlyn e Janna riram. - Você dormiu no sofá e eu te trouxe pra cima. Eu tenho o sono leve e ia vir correndo pra te proteger raposinha. Agora desçam.'
Após se trocarem As duas desceram e enquanto se serviam na pequena cozinha Caitlyn ia revisando os relatórios da noite anterior em um tablet, os ladrões haviam jogado toda a culpa na cúmplice deles que ficou com a tarefa de preparar o dirigível. Eles estavam furiosos e juraram se vingar da pessoa que tratavam pelo nome VI. Ao ler o nome Caitlyn começou a lembrar de alguns incidentes antigos envolvendo este nome. " Aquela encrenqueira então era a tal de VI. Preciso pesquisar melhor mais tarde." e bebendo um gole foi encarada pelo olhar da Janna vestindo uma de suas camisas preferidas. - Então... Como eu vim acordar em sua casa? Você me sequestrou e se aproveitou de mim? Ou isto foi idéia da Ahri? Mas ela parece tão inocente assim.' E escorando o rosto com a mão olhou para a jovem que estava totalmente encabulada com o modo dela falar. Levaram uma hora explicando para Janna todo o acontecido, as memórias dela eram muito vagas sobre o que tinha acontecido e ela achava divertido ter se tornado algum tipo de super vilã. - O segredo para desvendar este mistério está na Evelynn, ela sabia para onde você iria mas...' Enquanto discutiam foram interrompidos por batidas fortes na porta. Janna correu para atender e foi surpreendida por uma enorme e brilhante lâmina incomum de espada apontada para seu rosto. - ONDE ELA ESTA?!' A dona da espada entrou seguida por políciais que pareciam mais preocupados do que invasores. Ela era morena vestia roupas elegantes brancas puxadas a um estilo cerimonial e tinha feições fortes assim como a expressão decidida que esboçava sem recuar do que considerava seu objetivo. - LEONA!' Ahri exclamou se aproximando e foi subitamente puxada e abraçada com força pela mulher que finalmente abaixou a espada. - Eu estava tão preocupada, quem te fez isto? Eu sabia que estas pessoas não iam saber cuidar de você.' Feliz e ao mesmo tempo sem jeito Ahri se soltou e tentou acertar as coisas. - Eles precisaram da minha ajuda, a Caitlyn fez o melhor para cuidar de mim. Isso não é culpa dela, eu me saí bem sem meus poderes...' Os policiais interromperam Ahri respondendo a Caitlyn que os observava com os olhos cheios de raiva. - Esta mulher apareceu na delegacia procurando por você e não deixou ninguém chegar perto dela. Achamos melhor acompanhá-la até aqui antes que ela machucasse alguém.' E vendo que Janna estava se segurando para não começar uma briga alí Caitlyn segurou o braço dela e se dirigiu à visitante. - Bom, o combinado foi eu cuidar da Ahri durante alguns dias. Não tem porque você entrar na minha casa deste modo Leona, aliás é uma ofensa.' Mas ela não estava exatamente preocupada em se desculpar. - Eu não combinei nada com vocês, quando fiquei sabendo que Ahri estava aqui desprotegida e correndo perigo de vida eu saí imediatamente para vir buscá-la. Só de ver o rosto dela machucado assim me deixa furiosa, mas pelo menos ela esta viva. Vai haver uma grande discussão quando voltarmos por causa da irresponsabilidade que fizeram. Ahri está mais segura conosco, agora que estou aqui você não precisa mais se preocupar, você não devia é ter aceito esta tarefa se ela tivesse morrido você ia se meter em um grande problema. Vamos Ahri.' E indo até a porta puxou Ahri que parou no meio do caminho. - Essa esquentadinha pensa que está aonde?' Janna rangeu os dentes e ia pra cima quando levou um puxão e uma encarada da Caitlyn que insistiu para ela parar. Enquanto Ahri caminhava devagar em direção da porta olhando para as duas Caitlyn acenou se despedindo. - Hey Raposa, você tem amigos. Nos vemos nos campos da Justiça.' E sorrindo maliciosamente ela respondeu antes de sair... - Nos vemos lá, humana.'

Fim deste episódio


Comment below rating threshold, click here to show it.

DarkestKing

Senior Member

11-18-2014

Eu comecei a ler sua fanfic mas me deu um pouco de dor de cabeça e parei. Edit as postagens e separe os períodos, tá tudo muito JUNTO atrapalhando bastante a visualização.


1