Bem-vindos ao arquivo do Fórum!

Nosso fórum pode ter mudado, mas isto não significa que vamos esquecer de tudo o que veio antes. Neste arquivo, vocês encontram a história da comunidade do League desde a chegada do servidor ao Brasil. Tem de tudo um pouco: discussões, piadas, desenhos, tentativas de identificar as camadas do fórum e muito mais.

Então, navegue pelas lembranças e, depois, participe das discussões que estão rolando neste momento no novo Fórum do League of Legends e divirta-se com os outros membros da nossa Comunidade. Nos vemos lá!

Um abraço,
Ysanne

IR PARA O NOVO FÓRUM


[FANFIC] O Tormento das Sombras

1
Comment below rating threshold, click here to show it.

Xispiritus

Member

02-01-2015

Existem muitos contos sobre a Ilha das Sombras, mas nenhum deles conta a história que realmente importa. Houve um tempo em que nós não éramos seres das sombras, almas vagando pelo mundo com formas diferentes do que já fomos. Há muito tempo atrás, quando a Liga ainda não existia, havia um continente e um país, a Ilha das Sombras surgiu deste lugar. Um império que chamávamos de Pandora.

Pandora foi formada por Ergos, um homem misterioso que, segundo a lenda, desertou de seu país natal em busca de uma nova vida, acreditasse que Ergos era um Noxiano que ao contrário do que todos pensavam, não considerava que a força era a solução para tudo. Depois de ver sua família ser morta pela suposta força, Ergos saiu da Cidade-Estado, embarcando na jornada que definiria a existência de Pandora.

Dizem que Ergos não era humano, mas sua forma nunca trouxera dúvidas, seu rosto robusto coberto por pelos pequenos e grossos de uma barba negra, seu cabelo liso escondia em sua testa uma cicatriz que carregava desde que se recordava. Uma marca deixada há muito tempo por bandidos que tentaram matá-lo, mas que não conseguiram. A cicatriz atravessava o lado direito de sua testa e chegava até sua sobrancelha. Suas roupas eram, até então, as de um homem comum, aparentemente um camponês, usava trapos de pano e couro que serviam apenas para protegê-lo do frio e do sol. Carregava consigo uma espada prateada, com diversos entalhes em sua lâmina, o cabo era diretamente conectado com a lâmina, dando a impressão de que tudo era uma coisa só, no centro do cabo de três pontas havia uma gema verde que por muito tempo fora um mistério para todos.

Diversas foram as batalhas travadas por Ergos junto de sua espada, derrubando e matando monstros e adversários que ousaram atrapalhar sua jornada, e em todas as vezes que as batalhas iniciavam-se, sua arma emanava uma luz roxa e azul, um espectro de energia que aparentemente tornava-a mais forte, mas que também parecia sugar as energias de seu portador. Ele dizia nunca ter-lhe dado um nome próprio, mas que desde que a recebera de um ancião de uma das vilas pela qual passou, ela foi nomeada de Espada do Rei. Dizia o ancião que a mesma lhe traria o que almejava. O limite da espada era o limite da vontade de quem a empunhava e ela adaptava-se ao usuário.

A princípio Ergos não era um homem conhecido, mas à medida que sua jornada aumentava, sua fama ganhava proporções exageradas. As histórias percorriam o mundo todo, cada país e região. Um dos contos de Ergos e a Espada do Rei ditam que o grande herói havia passado por uma pequena vila nos arredores de Freljord e presenciou uma invasão por parte da tribo de Sejuani, os Garras do Inverno. Com bravura e coragem, Ergos uniu-se ao exército que protegia a vila, ajudando-os a derrotar a tropa invasora. A batalha foi sangrenta, mas os esforços do viajante foram recompensados com a vitória sobre os invasores.

Muito tempo se passou e muitas foram as histórias contadas à respeito dele, e por onde passava o rapaz reunia mais e mais pessoas, seguidores fiéis.

Quando Ergos passou pela minha vila, me senti agraciado com a visão de um deus. Não soube ao certo quantos o seguiam, mas o contingente que acompanhava seus passos era enorme.

Lembro-me como se tivesse ocorrido há pouco tempo, quando juntei-me a ele em sua jornada em busca de uma terra nova. Não demorou muito para que os pequenos acampamentos que fazíamos com o nosso grupo se tornasse insuficiente e Ergos percebesse que era hora de firmar uma vila. Homens, mulheres, crianças e idosos seguiam os passos de um líder bondoso e forte em busca de um novo começo.

O caminho até a ilha foi árduo, estávamos separados daquela terra por um imenso oceano e era preciso levar todos os seguidores para lá, algo nada fácil... Foram precisos trinta e sete navios de grande porte para abrigar todos os seguidores e leva-los até a ilha que Ergos almejava encontrar. Não encontramos grandes perigos no caminho, exceto o de que esperávamos encontrar na ilha.

Desembarcamos naquela ilha desconhecida por todos e juntos nos aventuramos nas entranhas daquela selva inóspita. Ali começávamos uma longa jornada para criar o nosso país, um local que um dia representaria a esperança de todos os seres, um local de paz e longe de conflitos e guerras. Esse era o nosso desejo... Era.


Caso se interessem em ler a continuação da história, podem procurar aqui: http://fanfiction.com.br/historia/586046/O_Tormento_das_Sombras/


1